"Não há um milímetro do mundo que não seja saboroso" (Jean Giono)

segunda-feira

Do teu abraço


depois há dias em que olhas para o espelho e não te reconheces. e quando falas ouves a tua própria voz de fora como não sendo tua. paras. e aquilo que és manifesta-se da forma mais fraca. queres te desfazer da alma que atormenta o teu corpo e manipula a tua vontade. odeias aquilo no que te estás a transformar. mas sabes que só o seu abraço é a tua cura.

sexta-feira

Te amar

fico admirado quando alguém, por acaso e quase sempre sem motivo, me diz que não sabe o que é o amor. eu sei exactamente o que é o amor. o amor é saber que existe uma parte de nós que deixou de nos pertencer. o amor é saber que vamos perdoar tudo a essa parte de nós que não é nossa. o amor é sermos fracos. o amor é ter medo e querer morrer.
[José Luís Peixoto]


porque é bom viver com a certeza de que és essa parte de mim que já não me pertence. e é delicioso sentir-me poderosamente fraca, saber te perdoar, ter medo de longe de ti estar e querer morrer docemente como um bebé no teu colo.



Da nossa existência


sentir. correr. te encontrar. e te contar como mexes comigo. como levantas os meus pés do chão. ouvir-te. refilar. te abraçar. te beijar. e saber que isto nos mantém vivos. falar. querer que respondas. mas não te deixar. rir da minha astúcia. e sentir-me culpada da tua ingenuidade. amar-te pela simplicidade. fugir. e voltar a correr para os teus braços. te fazer sofrer. e sofrer ainda mais. e sentir-me viva e cheia de amor quando os nossos corpos se abraçam e sentem o não poder viver sem as diferenças. sorrirmos. rirmos. corrermos de mãos dadas. e cairmos a saber que assim seria impossível continuar. dares um beijinho no meu joelho esfolado enquanto eu acaricio a tua cara. levantarmo-nos e desta vez caminharmos. teimarmos com o caminho que cada um quer seguir. e voltarmos para o pé um do outro. e tomarmos um caminho novo. diferente daquele que tu querias e daquele que eu queria. embarcarmos na aventura. e descobrirmos novas coisas...novos "nós". e amarmos com mais força aquilo que é novo em nós. e caminharmos pelo bosque. e vivermos na cabana velha de madeira que encontramos abandonada. acendermos uma fogueira. e amarmo-nos até o nascer do sol. decidirmos que aquela cabana é o nosso lugar. e recolhermos um cachorrinho que sozinho vagueava perto do rio. sabermos que ele nos completa. e tem/é aquilo que nós queremos. cria-lo. acompanha-lo. vê-lo crescer. e termos a alegre certeza que feliz nos acompanhará para o seu sempre. passarem os anos. sentirmos o mesmo. aumentarmos o "número". e cairmos rendidos ao pé daquela velha árvore da felicidade. acordar. beijar-te. receber as tuas caricias. como todos estes anos. e deixarmo-nos morrer no mais alto sentir das nossas vidas.
[Foto: Lina Scheynius]

Rádio Sabor a Canela

Sabores Anteriores